terça-feira, 28 de maio de 2013

Fallen in the closet #12 Hidratante facial Avon

Oi, galera! Como vocês estão?
Resolvi fazer mais uma resenha de cosmético hoje (semana passada rolou a do Mousse da Aspa), mas dessa vez irei falar de um produto pro rosto que comecei a usar tem algumas semanas e estou gostando bastante.
Gosto muito dos produtos da Avon, são baratinhos e se adaptam muito bem à minha pele. Uso grande parte da linha de cuidados com a pele, vou falar sobre cada produtinho aos poucos, mas hoje vou focar no último que comprei.
Minha pele é MUITO oleosa, e eu (como a maioria das pessoas com esse tipo de pele) subestimava muito a necessidade de hidratação diária para este tipo de pele, usando apenas produtos de controle de oleosidade, eles acabaram fazendo minha pele ficar ressecada demais depois de um tempo e descamando, foi quando comecei a usar o Avon Care Fresh Gel -Creme Facial Hidratante.

Uso a versão gel-creme por ser oil free, hidrata sem deixar a pele sebosa. A textura do gel é bem gostosa, geladinha e firme, e a absorção é super rapidinha. O preço depende da campanha da revista, mas geralmente é muito baratinho (o meu custou R$8,00) e compensa, porque rende MUITO, uma pontinha de dedo (ÓTIMA maneira de explicar, Carol, parabéns -.- mas é o que vocês terão) dá pro rosto todo tranquilamente. Ah, o cheiro podia ser um pouquinho melhor, mas é tão fraquinho que não chega a incomodar em nada.

RESULTADO: Aprovadíssimo!

Então, meninas? Alguém já usou o produto ou algum outro da linha!? O que acharam? Usam outro que seria legal eu testar?! Deixem nos comentários!

Beeeijos :*


segunda-feira, 27 de maio de 2013

Fallen in the Studio #10 Heavy Metal e Progressivo em Alta.


Hoje vamos falar de três bandas que marcaram a década de 60, a primeira são os canadenses que tem um som entre o heavy metal e o metal progressivo. Já a segunda é considerada como uma das melhores bandas do metal, e a terceira e última veio direto da Alemanha e fez muito sucesso com seu som pesado e com um vocal melódico. 

Em agosto de 1968 na cidade de Toronto, no Canadá é formada a banda Rush.

 
O grupo é composto pelo baixista, tecladista e vocalista principal Geddy Lee, pelo guitarrista e backing vocal Alex Lifeson e pelo baterista,percussionista e letrista Neil Peart. A banda é conhecida pelas habilidades instrumentais de seus membros, composições complexas e letras ecléticas, que abordam pesadamente a ficção-científica, fantasia e filosofia, dirigindo-se a assuntos humanitários, sociais, emocionais, e ambientais.
A banda já ganhou um número considerável de Juno Awards, e foi adicionada ao Canadian Music Hall of Fame em 1994. Ao longo de sua carreira, os membros foram reconhecidos como sendo alguns dos melhores em seus respectivos instrumentos, com cada membro ganhando vários prêmios em diversas publicações especializadas. Como um grupo, Rush possui vinte e quatro certificações de ouro e quatorze de platina (três multi-platina) registrada. Segundo a RIAA, o Rush é o terceiro colocado nas estatísticas de vendas de álbuns consecutivos de ouro ou platina por uma banda de rock, atrás apenas de The Beatles e The Rolling Stones. O grupo também se classifica na 78ª posição de números de vendas de CDs nos Estados Unidos, com mais de 25 milhões de unidades.  Embora o número total de vendas não são calculadas por uma única entidade, a partir de 2004 várias fontes da indústria mundial estimaram as vendas em mais de 40 milhões de unidades.

Tudo começou quando em Setembro de 1968, com o baixista e vocalista principal Jeff Jones, o baterista John Rutsey e Alex Zivojinovich (guitarra e vocais de apoio), mais conhecido pelo nome artístico de Alex Lifeson. O irmão de Rutsey sugeriu o nome Rush, assim batizando e decretando. no mesmo ano, Jones foi substituído por um amigo de Lifeson, Gary Lee Weinrib – mais conhecido de Geddy Lee. Depois de várias reformulações na formação, o oficial foi feita em maio de 1971, constituída de Alex Lifeson, Geddy Lee e John Rutsey. 
Depois dessa longa história vamos direto ao ponto, o álbum que foi o ápice do grupo. Em 1981 com o lançamento de Moving Pictures.  Com esse álbum a banda ofereceu a moda de acessibilidade entre as músicas e um comercial rock progressivo, que fez com que a banda chegasse a uma fama enorme.


As faixas que se destacaram para mim foram “Tom Sawyer” (É a música mais conhecida da banda, além de ter um instrumental muito bom), “Red Barchetta” (Com um vocal bem marcante, além, claro, do instrumental impecável), “Limelight” (Com uma levada bem rock n’ roll, essa faixa levou boas críticas satisfatórias dentre ouvintes de rádio e fãs), e por ultimo “The Camera Eye” (Essa aqui tem um ato nível em sintetizadores que é bem legal outro ponto bem marcante é que essa faixa tem onze minutos de duração, muito bom).

Nossa próxima banda é o Judas Priest.


Formada em Birmingham, nos meados de 1969. Formada por originalmente Al Atkins (vocalista), K.K. Downing (guitarrista), Ian Hill (baixista) e John Ellis (baterista). O nome Judas Priest (baseado no nome de uma música de Bob Dylan, The Ballad Of Frankie Lee And Judas Priest) já havia sido usado por uma banda anterior de Atkins e Ellis, que logo sairiam da nova formação, dando lugar a Rob Halford (vocalista) e John Hinch (baterista)(baterista) e o guitarrista, Glenn Tipton (as guitarras dobradas seriam mais uma marca a ser imitada entre as bandas de heavy metal inglesas que se seguiram).
A banda Judas Priest pode ser considerada uma das precursoras do heavy metal moderno. O Judas Priest foi uma das mais influentes bandas de heavy metal dos anos 70 encabeçando a New Wave Of British Heavy Metal ou simplesmente NWOBHM(Nova Onda do Metal Britânico) no final da década de setenta. Tratou-se da primeira banda a unir o peso e temática violenta criados pelo Black Sabbath à velocidade de alguns grupos de rock como o Led Zeppelin, adicionaram uma frente de ataque com duas guitarras e também foram os responsáveis pela retirada do blues característico de grupos de hard rock britânico dos anos 70 formado pela tríade Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple. Foram também responsáveis pela adoção das roupas de couro com adereços de metal cromados e correntes advindos do punk rock entre os apreciadores de rock 
Em 1976 o grupo lança seu álbum de maior repercussão Sad Wings of Destiny.


O álbum é até hoje eleito por muitos como o melhor trabalho da banda. Foi talvez um dos mais pesados já realizados pelo grupo, e foi à entrada par a banda no mundo do heavy metal.  As faixas que mais se desatacaram foram “Victim of Changes” (Considerada por muitos como a melhora faixa do disco, além claro de ser o hino do estilo. O vocal com a junção do instrumental ficou perfeito), outra faixa também bastante legal é “The Ripper” (Com um dueto de guitarra na introdução, além de solos bem impressionantes), e por último as faixas “Tyrany”, “Island of Domination”,e “Dreamer Deceiver” que além de terem marcado a história da banda, também mostram o som do grupo.
  
E fechando com os anos 60, a banda alemã Scorpions.


No ano de 1965 em Hanôver, Alemanha foi fundada o grupo pelo guitarrista Rudolf Schenker, sendo a primeira banda de hard rock formado no país germânico. Tudo começou quando o guitarrista Schenker foi a procura de integrantes par uma banda, isso ainda na sua idade escolar. Um ano após a criação do grupo, ele deu o nome de "Scorpions", porque ajudaria o grupo a ser reconhecido internacionalmente. No começo ele também era vocalista do grupo, que era composto por Wolfgang Dziony (bateria), Karl-Heinz Vollmer (guitarras) e Achim Kirshing (baixo).

Nos anos 1965 e 1967 no norte da Alemanha, a banda realizava shows tocando covers. Nos próximos meses, os Scorpions se dedicaram a fazer suas próprias composições, e ao contrário de outros grupos de seu país, suas letras são totalmente em inglês, porque era a única maneira de se tornarem conhecidos na Europa Ocidental. Em 1969 o irmão mais novo de Rudolf Schenker, Michael Schenker entrou na banda no lugar de Karl-Heinz, enquanto Klaus Meine se tornou o novo vocalista. Um ano depois, Lothar Heimberg substituiu Achim Kirshing no baixo. Em 1971 , o a banda gravou três músicas, incluindo "I'm Going Mad" e "Action", que foram lançados apenas na Alemanha. Após a pequena recepção positiva, assinaram um contrato de gravação em 1972 com o produtor Conny Plank, e lançaram seu primeiro LP, Lonesome Crow.

Depois disso banda entrou em turnê por 136 dias em algumas cidades da Alemanha Ocidental, abrindo shows. Logo depois Schenker sai da banda, o grupo ficou um pouco parado. Em 1973, Rudolf e Meine, os únicos remanescentes do Scorpions, convidaram Roth a entrar na banda como guitarrista como na última turnê, mas ele rejeitou a proposta, preferindo ficar na sua própria banda, Dawn Road. Rudolf estava muito entusiasmado em trabalhar com Roth, mas com menos espírito de "reviver" os Scorpions, ele juntou-se a sua banda como um membro ativo. Os outros membros da banda eram o já mencionado Uli Jon Roth na guitarra, além de Jurgen Rosenthal na bateria, Francis Buchholz no baixo e Achim no teclado. Apesar de não querer voltar para a antiga banda, Roth convence Klaus Meine a entrar no grupo. Apesar de ter mais membros do Dawn Road do que do Scorpions, eles decidiram continuar usando o nome do último, por ser mais conhecido no cenário musical alemão.

Em 1974, o grupo assinou um contrato com a RCA Records e lançou quatro álbuns, Pulando um pouco no tempo. Em 1984 veio o maior sucesso da banda, tudo isso graças ao álbum Love at First Sting, que ganhou platina tripla nos Estados Unidos.

 
O álbum vendeu tanto que só na França vendeu 1.700.000 cópias, conseguindo certificação de platina poucos dias após o seu lançamento no país. Varias faixas tiveram boa recepção dos fãs, transformando-as em clássicos do heavy metal e hard rock. As faixas que se destacam nesse álbum são “"Bad Boys Running Wild" , " Big City Nights " e “I'm Leaving You” (Que além de ter uma boa critica dos fãs, tem um instrumental muito bom com solos de guitarras e riffs muito bem executados), outra faixa bem legal é “Rock You Like a Hurricane" (Que ficou 26 semanas na Billboard Hot 100 e na revista Rolling Stone, além de ser um dos clássicos da banda), e por ultimo que também se destaca a "Still Loving You" (Uma canção expoente fundamental do estilo de balada que só na França vendeu 1.700.000 cópias, conseguindo certificação de platina poucos dias após o seu lançamento no país).
- Jefferson Arcanjo

terça-feira, 21 de maio de 2013

Fallen in the Studio #9 Heavy Metal e Hard Rock Britânico.


Hoje vamos falar sobre a tríade do Hard Rock  e Heavy Metal Britânico.
Black Sabbath.



No ano de 1968, em Birmingham, Reino Unido nascia o Black Sabbath. Com sua formação original composta por Ozzy Osbourne (vocais), Tony Lommi (guitarra), Geezer Butler (baixo) e Bill Ward (bateria). Embora o grupo seja considerado hard rock, Butler definiu o estilo uma vez como “um blues pesado e distorcido”. A banda é uma das pioneiras no heavy metal, tendo influências cruciais no desenvolvimento na definição do estilo.

Tudo começou em 1966, em Aston, quando o guitarrista Anthony “Tony” e o baterista William “Bill” Ward (ambos do grupo Mithology) encontraram um anúcio de um cantor que queria encontrar músicos para sua banda. O tal cantor era nada mais, nada menos que Jonh “Ozzy” Osbourne que já havia estudado com Tony. Ozzy decidiu levar até sua casa dois músicos que já havia tocado com ele na banda Rare Breed : o guitarrista Terence “Geezer” Butler e Jimmy Phillips.

Depois de um tempo o grupo escolheu o nome Polka Tulk Blues Band encurtado depois de Polka Tulk, nessa época seu repertório era principalmente blues. Mais tarde Clarke e Phillips deixam o grupo, o restante mudo o nome para Earth e o seu repertório passa ter covers de Jimi Hendrix, Blue Cheer e The Beatles.
Em 1968 é lançada a primeiro demo do grupo, com isso é ganho algum êxito no espaço de pubs britânicos que permitiu que o grupo fizesse o nome no exterior, também graças ao gerente Jim Simpson. Depois de um curto período, o nome da banda é mudado novamente, pois já havia outro grupo com o mesmo nome. A escolha do novo nome veio de Butler, um grande fâ do romance de “magia negra” e “terror’ de autores como Dennis Wheatley”. Butler tinha assistido a um filme de terror italiano do diretor I Ter Volti Della Paura (As Três Máscaras do Terror) de 1963, mas foi exibido na Inglaterra e nos Estado Unidos como Black Sabbath.

De lá pra cá muita coisa aconteceu, porém vamos ao que interessa. O álbum mais famoso da banda foi Paranoid de 1970, que foi lançado no dia exato da morte de Jimi Hendrix. Este álbum está na lista dos 200 álbuns definitivos no rock and roll Hall of Fame, e até hoje é considerado por ser um marco inicial do heavy metal.



Em minha humilde opinião esse é um dos melhores álbuns de heavy metal da história, desde primeira faixa até a última heavy metal, hard rock com bastante influência no blues. Algumas faixas se destacaram mais do que outras pelo menos pra mim, porem não tem do que reclamar do álbum.

Então vamos começar pela faixa de abertura “War Pigs” (Com um instrumental muito bom, além claro do tema), a próxima é um dos clássicos do Sabbath “Paranoid” (Particularmente adoro essa musica, curto muito o solo de guitarra, com uma boa influência do blues), “Planet Caravan” (Essa daqui é bem mais calma, tem uns instrumentos de percussão e vocal bem legal), “Iron Man” (Considerada por muitos com a melhor música do grupo, nem preciso dizer nada né ?), “Faires Wear Boots” (Com uma introdução memorável, show de bola) e “Electric Funeral”(Com riff bem marcantes, além da vocal do Sr Osbourne).

Deep Purple.
  

No ano de 1968 em Hertfordshire, Inglaterra é formada o Deep Purple. A banda passou por diversas mudanças de formação, além de um hiato de oito anos (1976-84). As formações do período 1968-76 foram comumente chamadas de fases I, II, III e IV. Sua segunda formação, a mais bem-sucedida comercialmente, contou com Ian Gillan (vocal), Ritchie Blackmore (guitarra), Jon Lord (teclado), Roger Glover(baixo) e Ian Paice (bateria).

Essa formação foi até os anos de 1969 a 1973, e foi reunida de 1984 a 1989 e, brevemente, em 1993. A marca do grupo é uma mistura de guitarra e teclado, com riffs simples e fortes e solos vigorosos. A banda também foi listada pelo Livro Guiness dos Recordes "como a banda com o som mais alto ao vivo no mundo", e venderam mais de 100 milhões de álbuns ao redor do mundo.

Tudo começou em 1967, quando o ex-baterista do The Searchers Chris Curtis conectou o empresário de Londres Tony Edwards para montar uma nova banda. O novo grupo de Chris iria ser chamar Roundabout, o primeiro músico a topar a ideia foi o tecladista Jon Lord, colega de Curtis nos The Flowerpot Men, onde também tocava o baixista Nick Simper.

No final dos anos 60, Chris decide sair devido a alguns problemas. Daí o grupo acha o guitarrista Ritchie Blackmore, que conhecia o baterista Ian Paice que trouxe um colega da The Maze Rod Evans para ser o vocal que estava faltando. Em fevereiro de 1968, depois de queimar pestana em uma lista de nomes que incluía o pomposo Orpheus, acabou vencendo o título da música favorita da avó de Blackmore: Deep Purple.

Com mais de sete formações o grupo lança em 1972 Machines Head, o álbum que mais marcou a carreira da banda, e que é considerado por muitos como o melhor.

 
As faixas que mais se destacaram pra mim foram “Highway Star” (Que começou a ser criada dentro de um ônibus, quando um jornalista perguntou como eles criavam suas músicas. Blackmore disse: "assim", e começou a tocar um riff agitado. Gillan entrou na farra e começou a improvisar uma letra: "We're on the road, we're on the road, we're a rock'n'roll ba-and!". Eu particurlamente gostei do seu instrumental), outra faixa bem legal é “Smoke On The Water” (Que conta a história interia da gravação do álbum, além disso essa a melhor faixa do disco, eu adoro esse riff) e por ultimo “Lazy” (Com um instrumental que da inveja,  curti todos os demais instrumentos, porém a guitarra virtuose pura).

 Led Zeppelin.


Em setembro de 1968, na cidade de Londres formava o grupo, que consistia no guitarrista Jimmy Page, o vocalista Robert Plant, o baixista e tecladista John Paul Jones e no baterista John Bonham. A banda é reconhecida como um dos progenitores do hard rock e heavy metal, com um som pesado de guitarra e com blues rock, o grupo se tornou destaque.

Tudo começou em 1966 quando Jimmy Page juntou-se a banda The Yardbirds, para substituir o guitarrista Paul Samwell-Smith. Junto com Jeff Beck criaram uma dupla e tocaram guitarra juntos, em outubro de 1966 Beck sai do grupo. No mesmo ano Page decidiu formar um novo grupo com Beck nas guitarras, Keith Moon e John Entwistle do The Who na bateria e baixo os vocalistas Steve Winwood e Steve Marriott também foram considerados para o projeto. O grupo nunca foi formado, embora Page, Beck e Moon tenham gravado uma música juntos em 1966, "Beck's Bolero”, em uma sessão que também contou com o baixista e tecladista John Paul Jones.

Em julho de 1968 em Luton College of Technology, em Bedfordshire. Os The Yardbirds fizeram seu último show, Eles ainda estavam empenhados em fazer diversos concertos na Escandinávia, para o baterista Jim McCarty e o vocalista Keith Relf autorizaram Page e o baixista Chris Dreja a usar o nome de "The Yardbirds" para cumprir as obrigações da banda. Page e Dreja começaram a tocar guitarra juntos. A primeira escolha de Page para um vocalista era Terry Reid, mas Reid recusou a oferta e sugeriu Robert Plant, um jovem cantor de Stourbridge que estava no Band of Joy e no Hobbstweedle. 14 Plant finalmente aceitou a oferta, recomendando o baterista do Band of Joy John Bonham.

Depois que Dreja saiu seu cargo foi ocupado por Jonh Paul Jones, que já havia tocar com Page. Os quatro tocaram juntos pela primeira vez em uma sala abaixo de uma loja de discos na Gerrard Street, em Londres. Antes de sair para a Escandinávia o grupo participou de uma sessão de gravação para o álbum Three Week Hero, de P.J. Proby. A faixa "Blues Jim" do álbum, com Plant na gaita, foi a primeira faixa de estúdio a apresentar todos os quatro membros do futuro Led Zeppelin. A banda completou uma turnê pela Escandinávia como The New Yardbirds, em 7 de setembro de 1968. Mais tarde, naquele mês, eles começaram a gravar seu primeiro álbum, que foi baseado em seus concertos ao vivo. O álbum foi gravado e mixado em nove dias, e Page cobriu os custos. Após a conclusão do álbum, a banda foi forçada a mudar seu nome após Dreja emitir uma carta de anulação, afirmando à Page que foi permitido apenas o uso do apelido de New Yardbirds para os concertos escandinavos.
O nome da nova banda foi escolhido, e considerou que Moon e Entwistle haviam sugerido que o supergrupo com Page e Beck cairia como um "balão de chumbo", uma expressão para resultados desastrosos. O grupo deixou cair o "a" em lead por sugestão de seu empresário, Peter Grant, de modo que aqueles não familiarizados com o termo não pronunciassem "leed". A palavra "balão" foi transformado em "Zeppelin", talvez um exagero de humor, e Page imaginou o nome como uma combinação perfeita de combustibilidade leve e pesada de graça. Depois dessa longa história, vamos falar do álbum que mais marcou a carreira do grupo. No ano de 1971 é lançado Led Zeppelin IV.



É um dos álbuns mais vendidos da história, com mais de 23 milhões de cópias vendidas somente nos Estados Unidos, e da sua enorme popularidade cimentou o status de superstars do Led Zeppelin na década de 1970.45 As vendas a nível mundial estimam-se para cerca de 37 milhões de cópias, sendo outro álbum que está presente na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.

As faixas que mais se destacaram pra mim foram “Black Dog” (O instrumental e o vocal é bem marcante nessa música, perfeita), “The Battle Of Evermore” (Com a letra inspirada em O Senhor dos Anéis, essa aqui tem uma harmonia bem melódica), e também os dois grandes clássicos do grupo: “Rock and Roll” e “Stairway To Heaven” (Que foram considerados por muitos como as obras-primas do grupo).

- Jefferson Arcanjo

sábado, 18 de maio de 2013

[RESULTADO] Promoção As Últimas Lembranças

Oi, gente!
Como vocês estão? Sei que andei sumida nos últimos dias, poderia dar mil motivos para isso, mas a verdade é que não estava com inspiração nem muita vontade pra postar. A internet de maneira geral estava me entediando um pouco. Enfim, espero que as postagens voltem ao normal a partir de hoje.
Vamos ao que interessa, agora: o resultado da primeira promoção que rolou aqui no blog. As participações foram bem poucas, e desses poucos participantes, teve muita gente que não cumpriu as regras direito. EU CANSEI DE AVISAR! Por sorte, a sorteada foi uma das poucas que cumpriu tudo, confiram o resultado na imagem abaixo:
Parabéns, Driely! Já passei seu contato para o Nelson (editor-chefe da Highlands), e ele deve te enviar o e-book, em breve. Qualquer coisa, só responder o e-mail que te enviei.
Tô tentando outras promoções aqui pro blog, espero que o povo participe mais, né?! -.-
Beijos e até amanhã.



terça-feira, 14 de maio de 2013

Fallen in the closet #11 Mousse para cabelos Aspa Cosméticos

Oi, gente!
Antes de começar a falar do assunto de hoje, queria fazer um convite à vocês, principalmente o povo de Queimados e proximidades.No próximo sábado (dia 18), vai rolar um lançamento da coleção Hollywood Mystique da Mary Kay aqui na cidade. Quem está organizando é uma das minhas colegas de classe do curso e que puder ir será super bem-vindo. eu estarei lá fazendo a cobertura do evento aqui pro blog.
O evento será na Fisio Corp, de 15:30 até 17:30, para mais informações e pra confirmar a presença, acessem o evento no Facebook AQUI!

Agora, vamos ao assunto de hoje, a primeira resenha de cosmético que eu faço: Mousse hidratante da Aspa Cosmético.

Promete: Tem poder hidratante e nutritivo para os cabelos. Modela e equilibra o volume restaurando o brilho natural. Seus componentes filógenos protegem o fio capilar da desidratação, ajudando a manter por mais tempo a ação nutritiva e revitalizante do D-Pantenol.


Modo de usar:

Agite antes e durante o uso, use sempre na posição invertida. Aplique após enxaguar e secar os cabelos com a toalha. Coloque o volume aproximado de um ovo na palma da mão. Distribua bem a espuma por todo o cabelo, colocando em pequenas porções e distribuindo uniformemente. Aplique mais, se necessário, segundo o tamanho e tipo de cabelo. Use sua técnica preferida de pentear: com rolos, secador, escova, chapinha, pente ou com os dedos.

Preço: R$15,50 (Loja Alpino)

Minha opinião: Bem, meu cabelo cacheado e, quando seca, fica hiper volumoso, pesquisando na net, a única opção que tive para controlá-lo foi usar algum mousse. Escolhi o da Aspa por prometer o efeito hidratante, enquanto via muita gente falando que outras marcas ressecavam os fios. Felizmente, a marca cumpriu o que prometeu. Meu cabelo permaneceu com o volume controlado por horas, os cachos ficaram bem definidinhos e com movimento.
A textura do produto é muito gostosa, o cabelo não fica melequento nem com aparência de oleoso quando recebe a aplicação do produto. Além de ficar com um cheirinho delicioso.
Achei o preço um pouco caro de primeira, mas pelo que vi utilizando, vale a pena, pois, além do produto ser ótimo, parece que vai render bastante!

Resultado final: APROVADO 

Alguém já usou o produto? Qual foi o resultado?

Beijos e até amanhã...



Fallen in the Studio #8 Uma bela dose de terror, com um pouco de progressivo e psicodélico.

Oi, gente.
Então, o blog não teve atualizações durante o fim de semana porque o lindo (insira seu xingamento favorito aqui!) do Gustavo não cumpriu com o cronograma da coluna dele. A verdade é que meus colunistas andam me irritando um pouco (muito, pra caramba) com isso, mas tudo será resolvido em breve (cabeças rolaram...). 
Beijos e até amanhã
- Carol Sophie
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Em 1968, nascia uma das bandas que mudariam um pouco o cenario do rock 60, essa banda foi a Alice Cooper da cidade de Detroit.

Tudo começou quando, em 1964, Vincent se juntou com seus amigos Glen BuxtonDennis Dunaway, John Speer e John Tatum para participar, sem comprometimento, de um show de calouros anual em Phoenix sob o nome de The Earwigs. Dublando músicas dos Beatles e vestidos como seus integrantes; eles venceram o concurso e gostaram de estar no palco, por isso mudaram o nome da banda para The Spiders e decidiram criar suas próprias músicas.
  
Então, com Vincent no vocal, Glen e John Tatum na Guitarra, Dennis no Baixo e John Speer na bateria, eles começaram a fazer apresentações em clubes e bares da cidade. Depois de um ano, eles gravaram seu primeiro single, "Why Don't You Love Me", um pouco depois de terminarem o colegial, Vincent mudou seu nome pra Alice Cooper. Passou a usar esse nome tanto para fins comerciais como também em sua vida particular, já que o registrou em cartório alguns anos depois.

Em 1966 John Tatun sai da banda e Michael Bruce fica em seu lugar, nessa mesma época o grupo lança a canção "Don't Blow Your Mind", que se tornou sucesso na rádio local e assim o grupo começou a constantemente viajar para a cidade de Los Angeles para fazer apresentações até se mudar para lá definitivamente em 1967, após Neal Smith assumir o cargo de baterista e a banda mudar seu nome para The Nazz, lançando a canção "Wonder Who's Lovin' Her Now".

No ano seguinte o grupo finalmente troca de nome, e assim começa a ser conhecido por Alice Cooper. Com o tempo a banda ficou bastante marcada por suas apresentações um tanto diferente, como um perfil de palco da banda inspirado em filmes de terror e também criou seu próprio visual gótico e sombrio. Além disso, as apresentações do grupo foram apelidadas de “teatro do terror”, pelo uso de vários elementos performáticos baseados em filmes de terror realizadas ao vivo, como guilhotinascadeiras elétricascobras vivasbonecas voodoo, sangue falso e muitos outros, com Alice vestindo roupas obscuras e ornamentadas com coisas como patas reais de aranha, cobras vivas, correntes, etc.

Depois de tanta história, vamos logo ao ponto, o álbum mais famoso e aclamado do grupo foi School's Out de 1972. Esse álbum fez o grupo chegar ao  2º lugar da Billboard 200 e 7º lugar da Billboard Hot 100, levando a banda a realizar uma turnê por ginásios e arenas na América do Norte e na Europa.

 
Em minha opinião, as faixas que mais marcaram o álbum foram “School's Out” (É a primeira faixa do disco e pra mim é a melhor, adoro),”Gutter Cat Vs. The Jets” (Adorei o instrumental, mas o que mais se destacou para mim foi o baixo na introdução e o riff no meio da música), “Blue Turk” ( O solo de saxofone faz com que a canção tenha alguns elementos bem característicos com o blues, achei bem legal), “Street Fight” e “Grand Finale” (Essas duas faixas são dois instrumentais bem elaborados, com instrumentos de metal e cordas. Achei muito bom) e a ultima “My Stars” (Com aquela levada glam metal, curti muito o solo de guitarra).
Voltando ao Reino Unido, no ano de 1965 se formava umas das bandas que iria deixar seu nome no rock pra sempre. Essa banda foi a Pink Floyd.

 
O Pink Floyd nasceu na cidade de Cambridge, em 1965,e é um dos grupos de rock mais influentes e comercialmente bem-sucedidos da história, tendo vendido mais de 200 milhões de álbuns ao redor do mundo. A banda foi induzida ao Hall da Fama do Rock and Rollem 1996. A formação original do grupo, consistiu dos estudantes Roger WatersNick MasonRichard Wright e Syd Barrett.

No início, tornaram-se bastante populares tocando no cenário underground londrino, no fim dos anos 60. Sob a liderança de Barrett, lançaram dois singles ("Arnold Layne" e "See Emily Play") e um bem-sucedido álbum de estreia, The Piper at the Gates of Dawn, de 1967. O nome Pink Floyd é a abreviação de The Pink Floyd Sound, nome sugerido por Barrett em homenagem a dois músicos de blues admirados por ele: Pink Anderson e Floyd Council.
Em 1968, o guitarrista e vocalista David Gilmour juntou-se à banda, assumido o lugar de Barrett que saiu devido ao seu estado de deterioração mental, agravado pelo uso de drogas. Com a saida de Barrett o principal letrista do grupo, Roger Waters tornou-se o principal compositor e líder conceitual do grupo, com Gilmour assumindo a guitarra solo e parte dos vocais. Com essa formação o Pink Floyd atingiu o sucesso internacional com álbuns como The Dark Side of the MoonWish You Were HereAnimals e The Wall.
Desses maravilhosos álbuns decidir falar sobre um dos mais conhecidos e do mais gostoso de ser ouvir, The Dark Side of the Moon.

 
O álbum foi o primeiro a chegar ao 1º lugar das paradas dos Estados Unidos, e até dezembro de 2006 havia acumulado 15 milhões de unidades vendidas no mercado americano, tornando-se um dos álbuns com melhor desempenho comercial da história dos Estados Unidos. No mundo todo, Dark Side superou 40 milhões de cópias vendidas. O álbum ficou no Top 200 da Billboard por 1094 semanas (incluindo 591 semanas consecutivas, de 1976 até 1988), um feito sem precedentes que estabeleceu um record mundial. Ele também permaneceu 1301 semanas nas paradas do Reino Unido e, apesar de não ter passado da 2ª posição lá, foi extremamente bem recebido pelos críticos.

As faixas que mais se destacaram pra mim foram "Money" e "Time" ( Devido aos Slides Guitar ambas tenha um som bastante melancólico,também o saxofone da primeira mostra a influência do jazz), “Any colour you like” (Essa canção é instrumental, que valoriza os demais os diferentes efeitos de guitarra), "The Great Gig in the Sky" (Conta com  Clare Torry nos vocais principais, que ajuda a diversificar a textura do álbum), "On the Run"  (Essa é tocada praticamente inteira em um único sintetizador, que por sinal faz muita diferença de timble) .
E finalmente chegando ao Brasil, temos uma das bandas pioneiras no rock no nacional: Os Mutantes.
Em 1966, na cidade de São Paulo é formada a banda brasileira de rock psicodélico, durante o Tropicalismo.  Em sua primeira formação estava presente Arnaldo Baptista (baixo,teclado, vocais), Rita Lee (vocais) e Sérgio Dias (guitarra, baixo, vocais). Também mais tarde participaram do grupo Liminha (baixista) e Dinho Leme (bateria).
A banda foi considerada um dos principais grupos do rock brasileiro, com forte influência dos Beatles. O grupo foram os pioneiros na mescla do rock and roll com elementos musicais e temáticos brasileiros. Outra característica do grupo era a irreverência.
Tudo começou quando os irmãos Arnaldo Baptista e Cláudio César Dias Baptista, juntamente com Raphael Vilardi e Roberto Loyola, fundaram o grupo The Wooden Faces. Um ano depois, conheceram e convidaram Rita Lee - então no Teenage Singers - a integrar a banda. Ainda entraria no grupo Sérgio, o caçula na família Baptista.
A nova banda passou a se chamar Six Sided Rockers, depois O Conjunto e O´Seis. No mesmo ano ano, Cláudio César, Raphael e Roberto deixariam o grupo. Arnaldo, Rita e Sérgio mantiveram o grupo, que foi rebatizado com o nome definitivo de Os Mutantes, dado pelo próprio Ronnie Von, antes da estréia na TV. O grupo até então chamava-se OS BRUXOS e a sugestão veio do livro O IMPÉRIO DOS MUTANTES, de Stefan Wul, que Ronnie estava lendo na época.
O disco mais consagrado do grupo foi A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado de 1970. Que é um marco na carreira do grupo, que tenta se distanciar do tropicalismo e abraçar de vez o rock.
 As faixas que mais se destacaram para mim foram “Ando Meio Desligado” (Que foi o grande sucesso desse álbum, que mais tarde foi regravado por diversos artistas), “Ave Lúcifer” (Bem calma e tranquila com uma letra bem doida, porém interessante), “Chão de Estrelas” (Que é uma regravação de Sílvio Caldas e Orestes Barbosa, que foi muito criticada pelos críticos e puristas daquela época), “Desculpe Baby” (Com uma harmonia calma, e um timbe de guitarra bem legal). 
- Jefferson Arcanjo

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Fallen in the Kitchen #9 Macarrão com molho de atum

Oi, gente!
Tem dias que a gente simplesmente não tá afim de fazer um almoço muito elaborado, uma receita que eu e minha mãe fazemos muito aqui quando isso acontece é: macarrão com molho de atum. É muito fácil de fazer e deliciosa. O molho também pode ser usado para pizzas (receita da massa AQUI!), joelhos e pastéis assados (veja AQUI o processo)

Você vai precisar de:
Macarrão cozido tipo espaguete ou talharim (pode usar miojo também)
1 lata de atum 
1 colher de sopa de molho shoyo
1/2 colher de sopa de tempero de alho e sal
1/3 de xícara de molho de tomate

Modo de preparo:
Escorra o óleo da lata de atum, coloque numa panela com o tempero de alho e sal, leve ao fogo e deixe das uma leve fritada. Adicione o molho de tomate e deixe ferver. Quando começar a ferver, deixe apurar por uns 5 minutinhos, adicione o molho shoyo e misture bem. Desligue o fogo.
Coloque o macarrão nos pratos e despeje o molho de atum por cima, sirva em seguida.

O molho é suficiente para dois pratos, se quiser preparar para a família toda, só multiplicar a receita, não tem erro.
Que tal dar uma folga pra mãe neste domingo e fazer o almoço? A receita é super simples e aposto que todos vão amar.

Beijos, povo, até amanhã!